Low Code: eliminar barreiras ao acesso à programação

David Faustino, Diretor-Geral da Nexllence

Low Code é uma ferramenta tecnológica no sentido mais lato da palavra, uma vez que a utilizamos para conseguir algo mais. Quando falamos de programação, encontramo-nos na situação de ter uma barreira elevada à entrada: é necessário estudar e obter acreditações complexas para desenvolver uma aplicação ou programa. Estamos sujeitos às limitações do Middleware e, quando é necessária uma aplicação mais específica, é necessário criá-la a partir do zero.

O Low Code surge precisamente para aliviar esta barreira de entrada, aplicando a metodologia Agile ao campo da programação. Só em 2021, estima-se que serão investidos 11,3 mil milhões de dólares nesta tecnologia, um aumento de 23% em relação a 2020, o que significa que estamos a falar de uma ferramenta cada vez mais procurada e que está a ajudar a digitalização de pequenas, médias e grandes empresas, que a utilizam para desenvolver as suas próprias aplicações.

Embora o Low Code não elimine a necessidade de alguma preparação e formação, simplifica muito a sua utilização e permite o desenvolvimento de aplicações funcionais e muito poderosas, especialmente quando se trata de gerir grandes quantidades de dados e extrair conhecimentos para a organização. É, em suma, uma ferramenta que torna a programação mais acessível e poupa tempo e recursos, além de tornar a empresa muito mais flexível, que será capaz de se adaptar mais rapidamente e abordar a sua aceleração digital de forma mais eficiente, ajustando-se perfeitamente às suas necessidades.

Tecnologias como a Outsystems permitem a criação de todo o tipo de aplicações personalizadas através da utilização de poderosas ferramentas de desenvolvimento que tornam o processo simples e não requerem formação intensiva. Num ano como o ano passado, em que a adoção de estratégias digitais foi fundamental, a rapidez de adaptação das empresas foi fundamental para manter a competitividade. O Low Code permite precisamente isto, pois acelera o processo de criação de aplicações e permite dispensar os pesados projetos personalizados em prol de um desenvolvimento mais simples e pragmático.

A característica mais notável do Low Code é a sua programação utilizando uma interface visual, que também permite que o resultado da aplicação seja visto em tempo real e que os aspetos sejam corrigidos em tempo real. Isto acontece porque muitas das funcionalidades das aplicações não são desenvolvidas de raiz, mas são embaladas e podem ser utilizadas e inter-relacionadas com outras para as explorar adequadamente. Estima-se que, neste tipo de aplicações simples, 80% do código poderia ser reciclado de outras semelhantes, pelo que a Low Code aproveita esta circunstância para normalizar a sua utilização e reduzir significativamente os tempos de desenvolvimento e, portanto, os custos associados.

Mas esta normalização não está em desacordo com a personalização, uma vez que o Low Code permite que as aplicações sejam tratadas individualmente e acrescentar elementos únicos que as diferenciam das outras, para que não se perca nenhum tipo de identidade, para além de poder ajustar a sua funcionalidade para melhor se adequar às necessidades reais da empresa.

Neste sentido, o Low Code não está concebido para acabar com o papel dos programadores, mas sim para facilitar o seu trabalho, eliminando as partes mais enfadonhas e repetitivas do processo de desenvolvimento, uma vez que o objetivo é evitar a recriação do código existente e simplificar as fases na fase de desenvolvimento, a fim de concentrar esforços no que torna cada aplicação diferente e única. O resultado é um ambiente de nuvem mais eficiente, com menor tempo de desenvolvimento, custos mais baixos e aplicações totalmente funcionais.

 

Fonte: El Español

SABER MAIS SOBRE A NEXLLENCE

2021-08-03